Universidade muito além da formação profissional

Artigo
2 dez 2019
Imagem
misterios da natureza

 

“Você tem plantações de maconha, mas não são três pés de maconha, são plantações extensivas de algumas universidades, a ponto de ter borrifador de agrotóxico.” Essa declaração foi feita pelo Ministro da Educação, Abraham Weintraub, em uma entrevista para o Jornal da Cidade Online. Não houve comprovação das tais plantações extensivas. Esse ataque às Universidades se soma a outros já realizados pelo ministro, que defende uma Universidade focada na formação profissional. Mas, seria a formação profissional a única função dessas instituições? Elas não contribuem para a sociedade de outras maneiras? Em meio a tantas acusações e ataques, vale lembrar o que são esses lugares, chamados Universidades.

Praticar a ciência pode ser um pouco complicado para uma só pessoa. Nem mesmo grandes cientistas como Isaac Newton, Albert Einstein e Stephen Hawking foram gênios solitários. Eles sempre estiveram em contato com outros cientistas, e suas próprias descobertas nasceram de ideias que já haviam sido estudadas, unindo conhecimentos desenvolvidos por outros pesquisadores. Esses três grandes nomes não teriam chegado tão longe se não fosse uma peça fundamental, as Universidades.

Hoje em dia, não podemos falar em Ciência sem falar em Universidades. 

Elas são os melhores locais para se aprender a fazer ciência. Nelas se encontram diversos cientistas de diferentes áreas, permitindo um intenso intercâmbio de ideias. Nos laboratórios universitários nasceram diversas tecnologias que viraram produtos do nosso dia a dia (forno de micro-ondas, smartphones, baterias, plásticos) e que melhoram a nossa saúde (raios-X, diversos tipos de exames, equipamentos médicos, técnicas inovadoras de operação). 

É nas universidades que descobrimos como viver mais e melhor (desenvolvimento de novos métodos de produção de alimentos, energia, moradia, saneamento), onde pesquisadores buscam entender melhor a nossa sociedade (analisando e interpretando a nossa história, através da psicologia, sociologia, técnicas de marketing, economia).

No Brasil, também temos diversos exemplos de frutos das Universidades: o combate ao vírus da zika e os diversos estudos da doença; o desenvolvimento de medicamentos como captopril (remédio para tratamento de hipertensão arterial) e o vonau flash (remédio para náuseas e vômitos, cujos royalties geraram R$3,44 milhões para a Universidade de São Paulo em 2018); a produção mais barata de luminol (substância que detecta vestígios de sangue utilizada por peritos criminais); o desenvolvimento de tecnologias para explorar poços de petróleo em grandes profundidades, como o pré-sal. Esses são apenas alguns exemplos dos frutos da ciência produzida em nossas Universidades.

A Universidade é o lugar onde a prática científica se junta ao ensino, formando não apenas uma próxima geração de cientistas, mas também cidadãos com novas visões e pensamento crítico. Sim, muitos vão lá aprender um assunto específico para se tornarem profissionais qualificados. Mas, limitar a função da Universidade atual à formação de profissionais é o mesmo que limitar a ciência à geração de novos produtos: pode ser útil, mas é uma limitação tão desnecessária quanto usar um smartphone apenas para fazer ligações.

A fronteira do conhecimento é por onde caminha o pensamento universitário. É isso que professores e pesquisadores buscam, é isso que seus alunos vivenciam. Por essa razão, a Universidade é um bem da sociedade. Ela pode, e deve, se aproximar muito mais de todos os cidadãos, tanto que um dos pilares do chamado tripé universitário – junto do ensino e da pesquisa científica – é a extensão. Talvez muitos brasileiros não conheçam esse lado das Universidades, mas elas têm a obrigação de estender à comunidade o conhecimento gerado em seu interior e as competências de que dispõem. Daí os hospitais universitários, os museus, centros culturais, as atividades de divulgação científica, teatros, cinemas, orquestras, assessoria jurídica gratuita, dentre outras ações. 

No Brasil, o tripé universitário é uma garantia do artigo 207 da Constituição Federal: “As universidades gozam de autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, e obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão.” Além do tripé, o artigo exalta outro ponto muito importante, a autonomia. Sendo autônomas, e possuindo liberdade acadêmica, as Universidades buscam o conhecimento mesmo que isso confronte o senso comum, ou até mesmo a religião.

Unindo pesquisa, ensino e extensão, e com autonomia para buscar e disseminar o conhecimento científico, esse lugar chamado Universidade soa como algo perfeito. Mas, definitivamente, não é assim. Universidades são formadas por pessoas, cidadãos iguais a você. Através de seus professores, alunos e funcionários, a Universidade reflete a sociedade na qual está inserida. Como consequência, você pode encontrar na Universidade problemas também encontrados no conjunto da sociedade: consumo de drogas, falta de zelo para com o patrimônio público, ineficiências. 

Isso não quer dizer que os responsáveis pela gestão das Universidades estão de braços cruzados diante dos problemas, mas é preciso lembrar que algumas Universidades abrigam mais de 100 mil pessoas entre alunos, docentes e funcionários, além de serem espaços públicos abertos à comunidade. 

Críticas são necessárias, pois levam a melhorias, mas de jeito nenhum deve haver ataques por preconceito ideológico, com base em acusações falsas. E, muito menos, partindo do Ministro da Educação.

André Guimarães de Oliveira é químico e divulgador científico, membro fundador do canal Ciência que lá vem História

 

REFERÊNCIAS

 

Sem provas, Weintraub diz que federais têm plantações extensivas de maconha - https://educacao.uol.com.br/noticias/2019/11/22/weintraub-ha-plantacoes-extensivas-de-maconha-em-universidades-federais.htm?cmpid=copiaecola

Novo ministro da Educação defende tirar Bolsa Família de aluno agressor - https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/eu-estudante/ensino_educacaobasica/2019/04/10/ensino_educacaobasica_interna,748627/educacao-abraham-weintraub-defende-tirar-bolsa-familia-aluno-agressor.shtml

A universidade no Brasil – Ana Waleska P.C. Mendonça - Revista Brasileira de Educação – 2000 nº14 p131 a 149 - http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n14/n14a08

A seleção natural e as universidades – Wendel Teles Pontes – Revista Questão Ciência - http://revistaquestaodeciencia.com.br/index.php/artigo/2019/05/23/selecao-natural-e-universidades

Geneticista explica como o zika vírus pode auxiliar no tratamento de tumores - https://jornal.usp.br/atualidades/geneticista-explica-como-zika-virus-pode-auxiliar-no-tratamento-de-tumores/

Sabia que um remédio para enjoo traz 90% dos royalties que a USP recebe? http://www.inovacao.usp.br/sabia-que-um-remedio-para-enjoo-traz-90-dos-royalties-que-a-usp-recebe/

Pesquisadores da UFRJ desenvolvem Luminol - https://ufrj.br/noticia/2015/10/22/pesquisadores-da-ufrj-desenvolvem-luminol

Art. 207 Constituição Federal - https://www.senado.leg.br/atividade/const/con1988/con1988_18.02.2016/art_207_.asp

 

Sua Questão

Envie suas dúvidas, sugestões, críticas, elogios e também perguntas para o "Questionador Questionado" no formulário abaixo: