Vacinas, evolução, transgênicos: pesquisa revela crenças dos brasileiros

Questão de Fato
13 mai 2019
Autor
Resultado geral da pesquisa Datafoilha

Mais brasileiros acreditam na importância das vacinas do que na validade das chamadas terapias alternativas, e quase 90% da população adulta aceita, mesmo que em parte, o fato de que a mudança climática é real e causada pela atividade humana. No entanto, quase metade dos brasileiros adultos rejeita um dos princípios fundamentais da Teoria da Evolução, o de que seres humanos e outros primatas descendem de um ancestral comum. E quase 40% da população adulta do país crê que o governo esconde alguma informação sobre extraterrestres.

Estes são alguns dos resultados de uma pesquisa nacional sobre compreensão pública da ciência conduzida em março pelo Datafolha, com exclusividade para o Instituto Questão de Ciência. Foram ouvidos mais de 2 mil brasileiros maiores de 16 anos, em 130 municípios de todas as regiões do país, numa amostra representativa da população brasileira. A margem de erro dos resultados é de dois pontos porcentuais, para mais ou para menos.

A pesquisa avaliou o grau de concordância dos entrevistados com uma série de afirmações que ou refletem consensos da comunidade científica (por exemplo, “É importante tomar vacinas pois trazem benefícios para a saúde”; “A Terra gira em torno do Sol”;  “O aquecimento global e as mudanças climáticas provenientes de ação humana são um problema real que terá efeitos graves sobre a sociedade”) ou crenças pseudocientíficas (“Energia espiritual pode ter o poder da cura”; “Alienígenas visitaram antigas civilizações na Terra”; “Alimentos transgênicos, ou seja, alimentos geneticamente modificados, fazem mal à saúde”).

Maiorias e minorias

O resultado mostra um perfil nacional multifacetado, em que 97% das pessoas concordam com a importância das vacinas, mas onde 83% acham que a medicina alternativa é uma “boa opção para tratar doenças” e 66% acreditam no poder de cura da “energia espiritual”. A afirmação “O ser humano e o chimpanzé vêm de uma espécie de origem comum” é aceita por pouco mais da metade da amostra – 54% – e 73% acham que consumir transgênicos faz mal à saúde.

Resultado parcial evolução

De acordo com a pesquisa, mais pessoas acreditam em teorias da conspiração envolvendo governos e alienígenas (38%) do que na segurança dos transgênicos para a saúde humana (27%), a despeito de a primeira afirmação ser pseudocientífica e a segunda, um firme consenso científico: levantamento da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, publicado em 2016, encontrou mais de 1,5 mil estudos confirmando que o consumo de transgênicos não tem impacto negativo sobre a saúde.

No lado positivo, exceto pela teoria da evolução e pelos transgênicos, os chamados negacionismos anticientíficos – a rejeição de afirmações endossadas pela comunidade científica – parecem ter muito pouca penetração, com apenas 3% das pessoas negando a importância das vacinas, 5% negando que a Terra gira em torno do Sol e 10% rejeitando a realidade e a gravidade da mudança climática.

Grupos

A análise do Datafolha permitiu dividir a amostra de entrevistados em quatro grupos de afinidade de acordo com o nível de concordância entre as respostas dadas.

O grupo mais próximo dos vários consensos científicos, representando 29% da amostra, é onde se encontra o maior grau de concordância  com as afirmações: “A Terra gira em torno do sol”, “É importante toma vacinas pois trazem benefícios para a saúde”, “O ser humano e o chimpanzé vêm de uma espécie de origem comum” e “O aquecimento global e as mudanças climáticas provenientes  de ação humana são um problema real ”.

Também é o grupo que mais discorda da ideia de que há benefícios na medicina alternativa, do poder de cura da energia espiritual, menos acredita que haja supostos malefícios no consumo de transgênicos e que menos acata a ideia de que haja interações entre humanos e alienígenas, no presente ou no passado. Neste grupo, a maior parte da amostra (75%) tem, como maior grau de escolaridade, ensino médio (49%) ou superior (26%).

O maior grupo, compreendendo 33% da amostra, mistura um complexo de crenças pseudocientíficas à preocupação com o meio ambiente: ao mesmo tempo em que aceita o consenso em torno da realidade e da gravidade da mudança climática, rejeita os transgênicos, abraça a medicina alternativa e as forças espirituais, e rejeita (com 62% de discordância) a tese da ancestralidade comum entre ser humano e chimpanzé. Aqui, a maior parte da amostra (78%) tem ensino fundamental (26%) ou médio (52%).

O terceiro conjunto, com 25%, se assemelha bastante ao anterior, mas abraça ainda as teses sobre alienígenas (100% concordam que o governo esconde o que sabe sobre os ETs, 63% que houve visitas alienígenas no passado) e é menos radical em sua rejeição da evolução (a opinião se divide em 50% a favor, 50% contra). Neste perfil, a maioria (79%) tem ensino fundamental (31%) ou médio (48%).

O grupo final destaca-se dos demais pela forte rejeição (74%) à tese da mudança climática antropogênica, e compõe 13% da amostra. Este grupo é formado por 91% de entrevistados com escolaridade máxima no fundamental (51%) ou médio (40%).

Entre fatos e métodos

Nos Estados Unidos, a Fundação Nacional de Ciência publica, a cada dois anos, seus Indicadores de Ciência e Engenharia, uma ampla pesquisa que inclui questões sobre a compreensão popular da ciência. Na edição mais recente da pesquisa, referente ao ano de 2016, a afirmação “seres humanos, em sua forma atual, desenvolveram-se a partir de outras espécies de animal” foi considerada “verdadeira” por 52% dos entrevistados.

Artigo recente no periódico PNAS aponta que, além do desconhecimento sobre fatos científicos, o problema da compreensão pública da ciência envolve ainda o desconhecimento dos métodos e processos da atividade científica.

Uma pessoa aceitar a ideia da ancestralidade comum, por exemplo, apenas com base na palavra de alguma autoridade, sem ter ideia do que isso significa ou de onde vem essa conclusão, deixa aberta a porta para que a crença seja abandonada em atendimento a uma autoridade mais carismática.

Resultado parcial geocentrismo

As inconsistências encontradas nos perfis levantados pela pesquisa Datafolha, mesmo nas faixas de maior escolaridade (82% dos entrevistados com ensino superior acreditam na eficácia da medicina alternativa e 73% creem que transgênicos fazem mal para a saúde) sugerem que a “ignorância epistêmica” – o desconhecimento dos processos que geram e justificam o conhecimento científico – continua a ser um ponto cego dos esforços de educação e comunicação da ciência.

Esse mesmo problema já  aparecia, ainda que de forma indireta, nos resultados da pesquisa de Percepção Pública da Ciência, realizada pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) e  pelo então Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) em 2015. Esse levantamento apontava que a população brasileira tinha uma visão francamente positiva da ciência, com 60% dos entrevistados declarando “interessados” ou “muito interessados” em temas científicos, e 78% defendendo mais investimentos na área.

No entanto, a mesma pesquisa indicava que uma das principais preocupações do público era a segurança dos transgênicos para a saúde. Além disso, apenas 12% dos entrevistados na enquete de 2015 se lembraram de alguma instituição nacional de pesquisa, e só 6% lembraram-se do nome de um cientista brasileiro. A despeito disso, mais da metade dos respondentes afirmaram acreditar que “cientistas  têm  conhecimentos  que  os  tornam perigosos”.

“Cidadãos podem ser mal informados e não informados ao mesmo tempo”, aponta o artigo na PNAS, traçando a distinção entre “não informado” (isto é, ignorante dos fatos) e “mal informado” (crente em ideias e conceitos que não correspondem aos fatos). “Por exemplo, cidadãos podem estar não informados sobre como funcionam os processos da ciência e mal informados dos fatos de alguma questão científica específica”.

Isso tudo sugere que tão importante quanto informar, é explicitar o processo gerador da informação: “comunicar ciência” efetivamente é, além da comunicação de dados e resultados, a comunicação de um modo de pensar.  

Este texto foi alterado no dia 14/5/2019, com a remoção da afirmação de que 44% da amostra se concentra na região Sudeste, substituída pela de que a amostra é representativa da população nacional, o que reflete melhor a significância da pesquisa.

 

Carlos Orsi é jornalista e editor-chefe da Revista Questão de Ciência

Sua Questão

Envie suas dúvidas, sugestões, críticas, elogios e também perguntas para o "Questionador Questionado" no formulário abaixo: